Arquivo da categoria: Cantoras

WINEHOUSE, MAIS UMA DOS INGLESES

amy.jpg

Amy Winehouse pertence à nova geração de artistas britânicos que, quando a gente houve, pensa: “Caramba, tem certeza de que isso vem da Inglaterra?”. Até aí, nenhuma novidade, já que isso vem acontecendo desde a época em que os Beatles “odiavam” os Rolling Stones. Há bastante tempo, a Grã Bretanha (Inglaterra para os íntimos) vem reciclando material que os norte-americanos (americanos para os íntimos) esquecem, deixam de lado ou simplesmente jogam fora. Foi assim com o blues, o rock and roll , o jazz, etc, etc. Até mesmo o Hendrix teve que se apresentar antes em botecos ingleses para que o pessoal nos EUA percebesse que diabo ele estava fazendo. Resumindo, a famosa biriteira Amy é, sem dúvida, uma das mais interessantes cantoras “negras” deste início de século.

Tears Dry on Their Own – Amy Winehouse (new clip)

Amy Winehouse Performing Rehab Live At Glastonbury 2007

Amy Winehouse – Back To Black LIVE

you know i’m no good amy winehouse live bbc sessions

los-lobos-bobos.jpg

Anúncios

LUCINDA NÃO BRINCA EM SERVIÇO

feat128lucinda.jpg

Alguém já disse que ela era uma espécie de “Neil Young de saias”. Em geral, não tenho muito saco pra cantoras country – em especial as ditas “modernas” -, que é a categoria onde, na maior parte das vezes, a moça é catalogada. Contudo, a referência ao “lobo canadense perdido”, isto é, a Neil Young, me fez procurar por alguma coisa dela na net, já que aqui no Brasil a tal de Lucinda Williams era uma ilustre desconhecida.

Minha esperança era encontrar uma compositora e cantora daquilo que alguns chamam de “country dark” , gênero que parece ter bebido muito também na fonte do blues e do folk, com mergulhos radicais no rock and roll, um estilo que Johnny Cash “inventou” (Folsom Prison Blues“, a música que Cash toca para o produtor da sua primeira gravadora no filme Johnny and June, é um bom exemplo), que o próprio Neil Young tão bem desenvolveu e que contaminou vários artistas, como Aimee Mann (qualquer hora a gente fala dela aqui também) e outras cantoras e cantores que escaparam da melação e do reacionarismo que contamina a maior parte da cena do country norte-americano.

Mas, voltando a Lucinda, ela não é exatamente “um Neil Young de saias”, até porque ela quase não usa saias e porque a moça é, com certeza, bem mais bonita do que o “lobo canadense perdido”. A comparação, no entanto, tem a ver, e quem conhece Young vai constatar. Outra informação interessante é que, se os discos de Lucinda não saem aqui, nos EUA ela também nunca foi tratada como superstar e só nos últimos tempos passou a ter seu trabalho um pouco mais reconhecido, principalmente devido a citações elogiosas de gente como Bob Dylan e Bruce Springsteen. Seu último disco, West (um dos vídeos postados aqui – “Lucinda Williams West In Stores Now!” – documenta a gravação desse álbum) vem fazendo muito sucesso lá fora, o que talvez alavanque seu lançamento no Brasil.

Finalizando, gostaria de compartilhar com vocês minha indecisão sobre escolher em qual tag encaixo este post, pois Lucinda não é country, não é blues, não é jazz nem rock and roll. Então, vou “inaugurar” uma nova categoria com ela, a de cantoras. Aí vai!

Lucinda Williams JOY (live)

Lucinda Williams – Come On

Lucinda Willims – Austin City Limits

Lucinda Williams – Car Wheels On A Gravel Road Live NL 2006

Lucinda Williams West In Stores Now!

“ESSENCE” by Lucinda Williams

Lucinda Williams – Righteously and more

Lucinda Williams & Alejandro Escovedo Forum 3-28-07

corvo21.jpg