Arquivo da categoria: Eric Clapton

A AUTOBIOGRAFIA DO CARA!

clapton.jpg

Acaba de sair no Brasil a tão comentada e aguardada biografia de Eric Clapton. Graças à agilidade da editora Planeta, “Eric Clapton, a Autobiografia” (cerca de R$ 45,00 nas livrarias e R$ 35,90 no Submarino) foi lançada aqui poucos dias depois de ser colocada à venda na Europa e nos Estados Unidos. Nas mais de 300 páginas do livro, Clapton, considerado um dos maiores guitarristas de todos os tempos, conta, sem rodeios ou panos quentes, sua odisséia com o blues e o rock and roll, entremeada com suas paixões acessórias pelas mulheres, pela heroína, a cocaína e pelo álcool, esta, sem dúvida sua mais avassaladora paixão

Um dos sobreviventes da cena rock que se estendeu desde meados dos anos 60 até meados dos anos 80, Clapton não tem medo de lavar sua roupa suja em público e desmistifica vários mitos, a partir dele próprio, destacando que, no final, o que o salvou foi sua música e a fidelidade que ele sempre teve para com ela e ela para com ele.

Abaixo, alguns exemplos desse relacionamento que nem todas as tempestades e e todos os terremotos conseguiram destruir. Mais um pouco de e sobre Clapton você também encontra aqui no blog em AS CONVERSAS ENTRE CLAPTON E DEUS!.

Eric Clapton: Groaning The Blues

Eric Clapton playing “Terraplane Blues”

Eric Clapton : Driftin’ Blues

Eric Clapton – Motherless Child (Live)

los-lobos-bobosthumbnail.jpg

Anúncios

CROSSROADS, A ENCRUZILHADA DE GUITARRAS

untitled-1.jpg

No post AS CONVERSAS ENTRE CLAPTON E DEUS!, foi citado lá que ele (ele Clapton, não ele Deus) promovia alguns eventos cuja renda era revertida para a Crossroads Foundation, uma organização sem fins lucrativos, criada pelo próprio Clapton, com o objetivo de dar apoio e tratamento para dependentes químicos. Entre os eventos, o mais famoso deles foi, sem dúvida, o Crossroads Guitar Festival de 2004, que, naquele ano, reuniu dezenas de guitarristas num grande show em Dallas, no Texas. O festival transformou-se num dos maiores eventos musicais daquele e dos anos seguintes, rendendo em DVD que bateu recordes seguidos de vendagem nos Estados Unidos.

No dia 28 de julho deste ano, Clapton promoveu o Crossroads Guitar Festival de 2007, no Toyota Park, em Chicago. Não só as publicações especializadas, mas a mídia em geral tem dedicado grandes espaços para falar (bem) do festival, que durou mais de 12 horas e reuniu gente como Jeff Beck, Doyle Bramhall II, Robert Cray, Sheryl Crow, Vince Gill, Buddy Guy, BB King, Alison Krauss y Union Station com a participação de Jerry Douglas, Sonny Landreth, Albert Lee, Los Lobos, John Mayer, John McLaughlin, Willie Nelson, Robbie Robertson, Robert Randolph & The Family Band, Hubert Sumlin, The Derek Trucks Band com a participação de Susan Tedesch, Jimmie Vaughan, Steve Winwood e, é lógico, Eric Clapton.

Infelizmente, os vídeos que circularam até agora pela internet são de baixíssima qualidade. Contudo, para não deixar o evento passar em branco, Los Lobos Bobos garimparam alguns vídeos do festival de 2004 e postaram aqui. O único vídeo de 2007 é o do ator Bill Murray, que foi o mestre de cerimônias do festival e arriscou até uma interpretação do clássico rock Gloria. Já a montagem fotográfica lá em cima foi feita com fotos das apresentações deste ano.

Com certeza, como o Crossroads Guitar Festival de 2007 ainda vai render muito pano pra maga, nós voltaremos ao assunto. Mas, por enquanto, é isso aí!

Time Makes Two – Robert Cray

Rocky Mountain Way – Joe Walsh

I Shot The Sheriff – Eric Clapton

Rock Me Baby-BB KIng/Eric Clapton/Buddy Guy/Jim Vaughn

Bill Murray @ Crossroads Guitar Festival 2007

Johnny Lang – Give Me Up Again

Eric Clapton – Crossroads (part 4)

corvo21.jpg

 

MR. JOHNSON E O DEMÔNIO

robert_johnson.jpg

O blues tem muitas lendas e muitas figuras lendárias, mas nenhuma delas certamente se compara a Robert Johnson. Autor de apenas 29 músicas (reza a lenda que ele teria feito 30 e até hoje tem gente procurando por essa 30ª), morto precocemente em circunstâncias misteriosas (reza mais um pouco a lenda), Johnson teria conseguido sua incrivel habilidade para tocar e compor após fazer um pacto com o diabo, numa encruzilhada de uma estrada perdida e empoeirada do Mississipi (continua rezando a lenda). Demônios e anjos à parte, a questão é que alguém conseguiu resgistrar as suas 29 canções em disco e elas foram sendo imortalizadas por milhares de reintepretações pelo mundo todo até hoje. Aqui, um apanhado de vídeos de canções de Johnson, sendo que apenas o primeiro deles traz a voz do próprio bluesman, numa montagem com o fundo musical do clássico Crossroads. Mas a seleção mostra coisas bem interessantes e curiosas, como, por exemplo, o praticamente desconhecido vídeo da obra de Braulio Tavares, poeta e escritor paraibano, e do violeiro e repentista Sebastião da Silva, que conta a história de Johnson e mostra que o blues do Mississipi está mais próximo do sertão e da caatinga brasileira do que muita gente imagina. Há também uma seqüência antológica do primeiro filme Blues Brothers, tendo como fundo uma canção não menos antológica, Sweet Home Chicago. Eric Clapton também comparece com Terraplane Blues, numa das sessões de gravação do álbum Me And Mr. Johnson, reunindo as canções do bluesman do Mississipi e que deu origem também ao DVD Sessions For Robert J. Completando a baciada, uma versão acústica de Love in Vain com os Stones (vocês podem ver/ouvir a versão elétrica e ao vivo aqui, no Festa de Lobo Sempre Começa com Stones); o endiabrado Johnny Winter, interpretando When You Got A Good Friend; o pouco conhecido (no Brasil) Gov’t Mule, um power trio originário da Allman Brothers Band; o também pouco conhecido por aqui (mas ótimo) KM Williams, cantando Come Into My Kitchen, e finalizando o músico santista Gilvan Gomes, o Sr. G., que no momento vem realizando um trabalho de verter para o português todas as canções de Robert Johnson. Aqui ele mostra Crossroads, isto é, Encruzilhada.

Mas vamos aos fatos!

Robert Johnson- Crossroads

Robert Johnson

Blues Brothers ‘Sweet Home Chicago’

Eric Clapton playing “Terraplane Blues”

Amor em vão

Johnny Winter-When You Got A Good Friend (pt.1)

Gov’t Mule – If I Had Possession Over Judgment Day

KM Williams – Come Into My Kitchen

Senhor G na Encruzilhada

corvo2.jpg

AS CONVERSAS ENTRE CLAPTON E DEUS!

2007118132651163.jpg

No inícios dos anos 60, as paredes do metrô de Londres começaram a ser cobertas por estranhas pixações, que diziam “Eric is God”. O Deus, no caso, era Eric Clapton, guitarrista que, para muitos dos seus fãs, só conseguia fazer o que fazia com a guitarra não porque tinha dons divinos, mas sim porque era o próprio Deus.

Eric nunca deu muita bola para essa baboseira toda, já que seu principal objetivo, desde que empunhou uma guitarra, era virar negro. Bem, isso nem os poderes divinos de Eric conseguiram. Ele continua sendo um branquelo, mas sua alma, essa sim, com certeza, mudou de cor, ficou negra, negra como o blues.

Aqui uma seleção de performances de Clapton, sendo que as duas primeiras – interpretações de Crossroads, um clássico do lendário bluesman Robert Johnson – são separadas por um mar de heroína e álcool, no qual o guitarrista mergulhou durante tenebrosos anos, mas do qual emergiu com força e carisma redobrados.

Na seqüência, versões elétrica e acústica de Layla, um clássico de Clapton e ode a uma das de suas grandes paixões, Pattie Boyd, ex-mulher de um de seus maiores amigos, o falecido beatle George Harrison (o desespero na melodia e interpretação não é, portanto, gratuito). Outro vídeo que merece destaque é Tears in Haven, canção que o guitarrista dedicou a seu filho de quatro ano que morreu ao cair da janela de um prédio. Na época, muita gente apostou que Clapton cairia de boca novamente na heroína e no álcool, mas o sujeito segurou e foi adiante. E Tears in Heaven tem certamente muito a ver com essa segurada de barra.

Finalizando, outro clássico do blues e também de Robert Johnson, Sweet Home Chicago, interpreado por Buddy Guy, considerado o inspirador de Jimi Hendrix, e tendo como acompanhantes, além do proprio Clapton, alguns outros monstros da guitarra e do blues, como Robert Cray e Jimmie Vaughan (irmão do falecido Stevie Ray Vaughan). A apresentação aconteceu durante o Crossroads Guitar Festival de 2004 , um show promovido por Clapton, no Texas, com renda revertida para Crossroads Foudation, uma organização sem fins lucrativos que oferece tratamento para dependentes químicos ( neste sábado, 28/07, está sendo realizado outro festival, agora em Chicago). Ah, e no meio de tudo isso você podem ver também o vídeo de Old Love, durante um show no Hyde Park, em Londres, e Groaning the Blues, clássico de Willie Dixon, outro bluesman legendário.

Então, com vocês, Deus, quer dizer, Eric Clapton.

Cream – Crossroads live 1968

Eric Clapton – Crossroads

Layla (live)

Layla Acustic

Old Love (Live In Hyde Park)

Tears in Heaven

Groaning The Blues

Buddy Guy – Sweet Home Chicago

corvoicone.gif